sábado, 4 de fevereiro de 2012

Chovendo estrelas

Contra essa chuva
não há capa
não há teto
não há ponte.
O noticiário das onze não previu,
                                     nem o profeta,
muito menos eu, amor
que fiquei à deriva
a ver barquinhos de papel
e meninos que corriam
por baixo de pontes,
por baixo de postes,
sem medo, sem culpa,
atrás de sonhos que se desfaziam na chuva.
Etavam chovendo estrelas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário