terça-feira, 25 de setembro de 2012

Morena

A insolência
dos teus cabelos arredios
é como um mar encapelado
que me joga para cima e para baixo
numa noite
de infinitas pupilas rutilantes.

O olor inebriante
de tua cabeleira
tem as tardes
na boca dum precipício.

Quem dera me fosse dado
o privilégio de sondar
os mistérios que manténs velados
na volúpia de tuas madeixas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário